ÔĽŅ

Secretaria Estadual de Educação fala sobre suspensão das aulas em Goiás

Ap√≥s suspender as aulas das redes p√ļblicas e privadas por 15 dias devido ao¬†coronav√≠rus, a Secret√°ria de Estado da Educa√ß√£o de Goi√°s (Seduc) passou a monitorar com quem os estudantes ir√£o ficar neste per√≠odo. Nesta segunda-feira (16), a secret√°ria F√°tima Gavioli informou que quer evitar que os alunos estejam sob os cuidados dos av√≥s, porque os idosos integram o grupo de risco, ou seja, que s√£o mais suscet√≠veis ao risco de contamina√ß√£o.¬†Goi√°s tem 4 casos da doen√ßa confirmados.

Além disso, a Seduc também estuda abrir as escolas somente para oferecer uma refeição para os alunos que têm na merenda sua principal fonte de alimentação diária. Sobre o ano letivo, pontuou que ainda não definiu se as aulas suspensas serão respostas ou parte das férias.

Fátima explicou que até a próxima quarta-feira (18) está fazendo um levantamento sobre com que os alunos irão ficar durante as duas próximas semanas sem aula.

“Vamos investigar com ela vai ficar √© idosa e est√° no grupo de risco. Depois disso, n√≥s vamos informar o comit√™ de crise e a Secretaria de Sa√ļde para ver que provid√™ncias tomar”, disse a secret√°ria.

Ao todo, a rede estadual possui 535 mil alunos e 1.045 escolas. A titular da pasta afirmou ainda que os efeitos da Covid-19 para as crianças são diferentes para os idosos. Em se esgotadas as possibilidades, ela vislumbra ao menos uma alternativa.

“O v√≠rus nas crian√ßas tem um efeito quase que de uma gripe normal. Para o idoso, j√° tem um efeito muito mais complicado. O que queremos √© utilizar a melhor forma de se precaver em rela√ß√£o ao v√≠rus”, explica.

“As gest√Ķes das escolas, hoje e amanh√£ [segunda e ter√ßa-feira] est√£o fazendo esse levantamento e at√© agora est√° bem tranquilo, apenas dois casos que vamos precisar informar. Os demais estamos indo ao limite, inclusive, de, se a fam√≠lia falar que n√£o tem com quem deixar, vai ter que fazer atendimento individual”, completa.

Se for o caso de os estudantes tiverem de ficar com os avós, a Seduc irá adquirir e enviar máscaras e álcool em gel para os idosos utilizarem e tentar evitar a disseminação.

‘Marmita’ na escola

A secretária afirmou que existe a possibilidade, caso seja necessário, das escolas abrirem somente para oferecer a refeição para os alunos. Muitos deles, sublinha Fátima, tem a merenda como principal alimentação.

“Se aquela √© √ļnica alimenta√ß√£o de verdade que a crian√ßa tem e agora a gest√£o escolar vai identificar isso, n√≥s n√£o vamos pode recepcion√°-lo no audit√≥rio ou refeit√≥rio, mas a gente vai poder colocar na marmita dele a alimenta√ß√£o dele para ele ir para casa se alimentar”, avalia.

Fátima foi questionada ainda sobre como fica o ano letivo em virtude desse período sem aulas e respondeu que a questão ainda será avaliada, mas garantiu que ninguém será prejudicado.

“O ano letivo n√£o tem nenhum preju√≠zo. A lei diz que os 200 dias letivos em hip√≥tese nenhuma podem ser mexidos. Daqui a oito dias, saberemos se ser√° feita reposi√ß√£o ou pode ser adiantamento de f√©rias”, pontua.

Fonte: G1 Goiás 

CATEGORIA: Notícia

COMPARTILHE:
Compartilhar em seu TwitterEnviar via E-mail

Você pode deixar qualquer resposta para este post através de RSS 2.0 Deixe uma resposta, ou trackback.

DEIXE SEU COMENT√ĀRIO

*

*