Entidades que representam os caminhoneiros de todo o País organizam uma manifestação para derrubar o preço de paridade de importação (PPI), política de preço da Petrobras que é responsável pelos reajustes constantes dos combustíveis no Brasil. Durante a semana, eles definirão as datas e o formato das manifestações, que podem ser, inclusive, paralisações. A informação foi confirmada pelo presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Goiás (Sinditac-GO), Vantuir Rodrigues, ao Mais Goiás.

A decisão de protestar foi tomada após o novo anúncio da Petrobras, nesta segunda-feira (9), de aumento de 8,87% do diesel. O PPI, que mudou a política de preços da empresa de capital misto em 2016 (governo Temer), é um sistema baseado na paridade internacional de preços dos combustíveis, conforme já explicou ao portal o economista Aurélio Troncoso, coordenador do centro de pesquisa de mestrado da UniAlfa.

Segundo Troncoso, os valores estão ligados diretamente ao câmbio (dólar) e ao barril de petróleo. E a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) faz uma média mundial de preço entre os maiores exportadores. Com isso, o Brasil compra o barril do petróleo em dólar.

A conta não bate. O frete, que deveria subir por causa da lei junto com o combustível, não sobe”. Vale citar, a política do frete mínimo citada por Vantuir foi uma das reivindicações dos caminhoneiros que paralisaram as estradas de todo o país em maio de 2018. A lei, contudo, está judicializada. Segundo o sindicalista, ela não estaria suspensa, mas não é aplicada, apesar disso.

No primeiro trimestre deste ano, a Petrobras conseguiu converter 31,6% das suas receitas em lucro, perdendo apenas para a chinesa CNOOC (37,7%). Mas no ranking de lucro ela está em primeiro, com US$ 8,6 bilhões (R$ 44,6 bi) registrados de janeiro a março. O montante supera grandes petroleiras, como Shell, ExxonMobik, BP, Chevron e mais, conforme o Poder360.

Mais Goiás 

CATEGORIA: Notícia

COMPARTILHE:
Compartilhar em seu TwitterEnviar via E-mail

Você pode deixar qualquer resposta para este post através de RSS 2.0 Deixe uma resposta, ou trackback.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

*

*